• Hospital Evangélico recebe emenda parlamentar que garante novo mamógrafo

    Hospital Evangélico recebe emenda parlamentar que garante novo mamógrafo

    Neste Dia Nacional da Mamografia, o Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI) comemora com uma grande notícia: a emenda de R$1, 350 milhão de autoria da Senadora Rose de Freitas para a aquisição de um mamógrafo digital com estereotaxia, um equipamento de alta tecnologia capaz de identificar nódulos de mama em casos suspeitos com rapidez e precisão, pois permite marcar lesões não palpáveis por computador e proceder à biopsia dos tecidos lesados. “Isto permitirá diagnósticos mais rápidos e precisos do câncer de mama. Além disso, vai agregar muito ao novo conceito de referência em oncologia que o Hospital Evangélico que pretende lançar com a chegada do Hospital do Câncer muito em breve”, afirma o médico radiologista Fábio Bortolini.

    A mamografia é uma ferramenta muito importante que os auxilia a chegar a um diagnóstico preciso e assim, buscar o tratamento mais eficaz para essa doença tão delicada e cruel. “É um exame radiológico para avaliação das mamas, feita com um aparelho de Raio -X chamado mamógrafo. Pode identificar lesões benignas e malignas, que geralmente se apresentam como nódulos ou calcificações. Este exame é usado para detecção precoce do câncer de mama, antes mesmo de ser identificado clinicamente por meio da palpação”, explica Fábio.

    “Grandes estudos feitos com milhares de mulheres durante décadas, mostraram que a mamografia regular detecta de forma mais precoce o câncer de mama, facilitando o tratamento e reduzindo as mortes pelo câncer. Hoje entendemos que é um exame indispensável à mulher”, alerta.

    Elas são indicadas anualmente para mulheres que passaram dos 40 anos de idade e a principal função é essa mesmo, rastrear o câncer de mama. Porém, para aquelas que possuem casos de câncer de mama na família, em parentes de primeiro grau mãe, irmã e/ou filha, o risco de câncer de mama pode ser maior. “Nestes casos, a mamografia pode começar a ser feita 10 anos antes do caso mais precoce entre parentes que tiveram a doença”.

    A mamografia, porém, não é recomendada antes dos 25 anos porque a mama é mais densa e susceptível à radiação nessa faixa etária. Mesmo mulheres que tiveram casos familiares muito cedo (aos 30 anos, por exemplo), devem esperar até os 25 para fazer a primeira mamografia. Antes disso, a indicação nesses casos costuma ser a ultrassonografia das mamas.

    O exame

    A mamografia é feita por um profissional técnico em radiologia e as imagens são interpretadas por um médico radiologista.  Utiliza raio x para formar a imagem da mama. Para fazer o exame, serão realizadas pelo menos duas imagens de cada mama, sendo uma de cada vez. A mama será comprimida firmemente entre duas placas planas a fim de espalhar o tecido mamário, reduzir a dose de radiação e obter uma imagem mais adequada. Todo o tecido mamário e a axila devem ser incluídos na análise. A compressão causada pela mamografia pode causar certo desconforto à mulher, mas não deve machucá-la. Mamografias podem encontrar pequenos tumores com tamanho de 1 milímetro até 3 anos antes de você poder senti-los. Os tumores pequenos, em estágio inicial são tratáveis e o diagnóstico precoce tem chance de até 95% de cura.

    HECI DIAGNÓSTICOS

    O Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim mantém uma clínica de medicina avançada, imagem e saúde, chamada HECI DIAGNOSTICOS que realiza exames como o de mamografia para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), convênios e particulares.

    A Clínica utiliza dois modernos aparelhos de Mamografia, um situado na filial em Cachoeiro (localizada na Avenida Francisco Lacerda de Aguiar) e a outra na unidade do HECI em Itapemirim, no Hospital Litoral Sul. Os equipamentos transmitem imagens digitais da mama direto para um computador e oferece vantagens em relação à convencional uma vez que as imagens podem ser armazenadas virtualmente. Isso permite ao radiologista ajustar as imagens no próprio monitor da estação de trabalho, realçando ou ampliando alguma área para melhor analisá-la.

    “Com todas essas ferramentas, a mamografia digital diminui a necessidade de repetição de imagens em relação à analógica, reduzindo assim a exposição à radiação”, salienta Fábio.

    Saiba Mais

    A emenda da Senadora irá contemplar também um moderno aparelho de densitometria óssea que de acordo com o Dr. Fábio, também é importante para diagnósticos da saúde da mulher uma vez que osteoporose é uma doença mais incidente no público feminino que no masculino.