• Hospital Evangélico promove Olimpíada entre crianças para falar da Cardiopatia Congênita

    Hospital Evangélico promove Olimpíada entre crianças para falar da Cardiopatia Congênita

    O Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), referência no tratamento clínico e cirúrgico de cardiopatias adultas e pediátricas, promove, no próximo dia 8 de junho, a 1ª Olimpíada do “Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congénita”.

    Durante o evento, todas as crianças acompanhadas pela cardiopediatria do HECI, suas famílias e colaboradores estão convidados a participarem de gincanas e muita brincadeira. Tudo com a finalidade de conscientizar a sociedade sobre as cardiopatias congênitas, suas manifestações e necessidades.

    De acordo com a Dra Andressa, a 1ªOlimpiada tem como “objetivo de engajar a população para a causa dessa doença que ainda é de causa desconhecida, mas a partir da sensibilização dos nossos governantes podemos mudar um pouco o panorama de tratamento da cardiologia pediatria do pais. ”

    A 1º Olimpíada será na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Presidente Getúlio Vargas, no bairro Aquidabã (Polivalente), a partir das 8h30.

    Todos serão recepcionados com um delicioso Café da Manhã e a cardiopediatra do HECI, Andressa Mussi fará a abertura. Em seguida, um alongamento e início das atividades com equipe multiprofissional. Logo após uma apresentação da Turma da Tina, premiação, e encerramento oficial com a Turma da Alegria, da Segunda Igreja Bastista de Cachoeiro de Itapemirim.

    A doença

    A Cardiopatia Congênita é qualquer alteração na anatomia do coração e de seus vasos sanguíneos (veias e artérias) que surge antes mesmo do nascimento do bebê, nas primeiras 8 semanas de gestação. A manifestação da cardiopatia congênita é muito variável podendo ocorrer logo após o nascimento ou surgir mais tarde na infância ou adolescência. As malformações congênitas representam a segunda principal causa de mortalidade em menores de um ano de idade, sendo as cardiopatias congênitas as mais frequentes e com alta mortalidade no primeiro ano de vida no Brasil e a terceira causa de morte até 30 dias de vida.

    Mesmo não sabendo a causa da cardiopatia congênita, existem algumas coisas que podem ser feitas para reduzir o seu risco no bebê, tais como: tomar a vacina de rubéola; controlar doenças crônicas, como diabetes e evitar substâncias nocivas durante a gravidez. Com o avanço da medicina, vem sendo possível diagnosticar e tratar mais precocemente os bebês e crianças com defeitos cardíacos congênitos. Com isso a Cardiologia Pediátrica tem crescido muito, e no HECI há a possibilidade de cuidar de pacientes com cardiopatia congênita desde bebês até adultos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

    Saiba Mais

    Oficialmente, o Congresso Nacional instituiu o dia 12 de junho como Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita através de projeto de lei, a fim de promover anualmente, eventos com a finalidade de conscientizar a sociedade sobre as cardiopatias congênitas, suas manifestações e necessidade de diagnóstico precoce e tratamento. A divulgação deste dia mobiliza e amplia a seguridade social de nossa população e de nossas crianças.