• Hospital Evangélico promove I Caminhada do Serviço Bariátrico

    Hospital Evangélico promove I Caminhada do Serviço Bariátrico

    O tema foi todos contra a obesidade

    Para comemorar o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade, o Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim, que é há 17 anos referência em cirurgia bariátrica do Sul do Estado, realizou uma caminhada pública com objetivo de conscientizar a sociedade da importância essa doença, já considerada uma epidemia em todos os cantos do mundo. O grande mote deste evento foi divulgar o tratamento liberando informações para as pessoas, com o intuito de também diminuir o preconceito em relação a doença e o tratamento cirúrgico. Houve participação de pacientes vindos de todo  o Estado, população e dos colaboradores do hospital.

    A caminhada teve inicio na praça conhecida como a Praça do Roberto Carlos, às 8h, com direção a Capitão Deslandes com encerramento em frente ao Palácio Bernardino Monteiro, sede da Prefeitura de Cachoeiro, Durante o trajeto, que foi acompanhado pela Banda do Tiro de Guerra, a psicóloga Emanuelle França  foi falando sobre os perigos da obesidade, da importância de buscar uma vida saudável e dando dicas de como manter o equilíbrio do peso. Também foi divulgando o serviço de cirurgia bariátrica do Hospital Evangelico de Cachoeiro de Itapemirim.

    Ao término,  houve um momento informativo com esclarecimento de dúvidas sobre a cirurgia e o tratamento e uma confraternização com sorteio de brindes. Na ocasião, o cirurgião e coordenador do Serviço de Cirurgia Bariátrica do HECI, André Mattar fez uma mini palestra acerca do serviço ofertado na instituição. Ressaltou que o HECI é referência neste procedimento atendendo pacientes de todo o Espírito Santo bem como dos demais estados da Federação.

    O serviço de cirurgia bariátrica do HECI, desde sua criação em 2003,  já realizou mais de 2000 cirurgias e atualmente opera entre 35 e 40 pacientes por mês pelo Sistema Único de Saúde (SUS).  Importante frisar que a cirurgia não visa a estética, e sim beneficiar a saúde e qualidade de vida do paciente.

    Isso porque a cirurgia bariátrica, ou popularmente conhecida com cirurgia de redução de estomago, reúne técnicas com respaldo científicos destinada ao tratamento da obesidade e das doenças associadas ao excesso de gordura corporal ou agravada por ele e é destinada a pessoa em que a obesidade traz prejuízos à saúde e o tratamento clinico se mostra ineficaz, devendo os pacientes ter IMC (índice de massa corporal) igual ou superior a 40, ou entre 35 e 40 com riscos devido ao seu peso.

    Saiba Mais:

    Para ser candidato a realizar a cirurgia bariátrica pelo hospital evangélico, a pessoa precisar estar com um Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 35 com morbidades, ou seja, doenças associadas como diabetes, hipertensão e obesidade. Para entrar no programa do Hospital, além disso, precisar participar da palestra com o médico André Mattar, que acontece no auditório do HECI, sempre nas primeiras segundas-feiras de cada mês.

    Nela, o Dr. André fala aos presentes sobre obesidade e todas as suas nuances, além de explicar ponto a ponto sobre os procedimentos da cirurgia. “A obesidade não tem cura, mas tem controle. Se conseguirmos controlar a obesidade, podemos tratar, amenizar ou até mesmo evitar uma série de outras doenças”, explica o Dr., que salienta que a cirurgia bariátrica não é feita por questões estéticas e sim, de saúde.  Após a palestra, é inserido no programa e fica aguardando a chamada para a primeira consulta, o que pode demorar uma média de 24 meses. Não é necessário encaminhamento. Apenas a participação nesta palestra.

    Durante essa primeira consulta, o Dr. André pesa, mede, faz os cálculos do IMC e avalia a indicação para a cirurgia. Caso seja uma avaliação positiva, já encaminha o paciente para exames. Daí até a cirurgia depende do próprio paciente. Em medica são realizadas 30 cirurgias bariátricas por mês no hospital.

    Após passar pela cirurgia, o paciente é acompanhado vitaliciamente pelo médico cirurgião e pela equipe multidisciplinar que conta com nutricionista, assistente social, fisioterapeuta e psicóloga. Também conta com um cirurgião plástico que realiza o procedimento de dermolipectomia (abdômen) quando necessário.