• Hospital Evangélico celebra Dia Nacional da Cardiopatia Congênita com caminhada

    Hospital Evangélico celebra Dia Nacional da Cardiopatia Congênita com caminhada

    Para celebrar o Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita, que é dia 12 de junho, o Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI) promove, no próximo sábado (09) a Caminhada Pulsa Brasil. “O nosso objetivo é engajar a população para a causa dessa doença e assim sensibilizar os nossos governantes a mudar um pouco o panorama de tratamento da cardiologia pediatria do pais”, explica a Dra. Andressa Mussi, cardiopediatra do hospital. O evento é aberto ao público e gratuito. “Apenas pedimos aos participantes que vistam uma camisa vermelha que é a cor da cardiopatia congênita”, disse a assistente social Fernanda Benevenuto.

    A Caminhada Pulsa Brasil sairá da Praça de Fátima às 08h30 e seguirá pela Rua Capitão Deslandes até a Praça Jerônimo Monteiro onde a Turma da Tina estará aguardando os participantes para uma recreação com as crianças. Fechando a manhã, a Dra. Andressa fará uma fala destacando a importância da conscientização da Cardiopatia Congênita, que é o defeito congênito mais comum e uma das principais causas de óbitos relacionadas a malformações congênitas.

    A doença

    Trata-se de qualquer anomalia na estrutura ou função do coração que surge nas primeiras oito semanas de gestação. Pode ser descoberto no nascimento ou anos mais tarde. Não se sabe ao certo o que causa a cardiopatia congênita, mas há suspeita de algumas condições: as alterações genéticas ou cromossômicas na criança, uso de certos medicamentos, álcool ou drogas durante a gravidez ou infecção viral materna.

    Mesmo não sabendo a causa da cardiopatia congênita, existem algumas coisas que podem ser feitas para reduzir o seu risco no bebê, tais como: tomar a vacina de rubéola; controlar doenças crônicas, como diabetes e evitar substâncias nocivas durante a gravidez. Com o avanço da medicina, vem sendo possível diagnosticar e tratar mais precocemente os bebês e crianças com defeitos cardíacos congênitos. Com isso a Cardiologia Pediátrica tem crescido muito, e no HECI há a possibilidade de cuidar de pacientes com cardiopatia congênita desde bebês até adultos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).