• Conheça a Radioablação, um procedimento pioneiro do Hospital no tratamento de câncer de fígado

    Conheça a Radioablação, um procedimento pioneiro do Hospital no tratamento de câncer de fígado

    O Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI) é o único hospital referência em tratamento e cirurgia oncológica em todo sul do Espírito Santo a realizar um procedimento inovador ainda pouco usado e pouco conhecido.

    A Radioblação é uma técnica relativamente nova, teve seu nascimento na década de 90 e vem se desenvolvendo ao longo desses anos. Hoje ela consiste em posicionar uma agulha através de uma punção na pele do abdome do paciente até o interior do tumor guiado por imagens de ultrassonografia ou tomografia computadorizada. A agulha é conectada a uma fonte de energia que gera calor, promovendo a destruição do tumor. Não são necessários cortes ou qualquer tipo de incisão e em pouco tempo, o paciente tem alta hospitalar.

    “Cada vez mais estamos tratando os pacientes oncológicos com mais qualidade. Hoje com a evolução da medicina, já existem esses métodos minimamente invasivos que nos permitem tratar cada vez mais pacientes, aumentando a sobrevida e o conforto dos mesmos”, comenta o cirurgião do aparelho digestivo e hepatobiliopancreatico Dr. Rogério Dardengo.

    O método é comumente usado em metástases de tumor colorretal e em carcinoma hepatocelular, também conhecido como CHC, que é o tumor primário de fígado.

    Como é uma tecnologia ainda pouca usada e com muitos benefícios para o paciente, o Dr. Rogério com apoio do Hospital Evangélico, realiza, no dia 29 de junho, o I Simpósio Sul Capixaba de Radioablação de Tumores Hepáticos.

    O evento, que acontece no auditório do Hotel Bristol, em Cachoeiro, contará com a participação de técnicos da empresa SurgicalLine, mostrando o equipamento usado no procedimento e explicando a sua evolução através dos tempos. Em seguida, o médico radiologista e coordenador do setor de imagem do HECI Fábio Bortolini vai mostrar a visão deste profissional diante ao nódulo hepático. A gastroenterologista especialista em fígados Alzimara Hermely vai falar sobre o Nódulo Hepático no paciente hepatopata, abordando quando poderia ser encaminhado para a radioblação, para o transplante ou cirurgia. E o próprio Dr. Rogério Dardengo vai explicar os aspectos teóricos do procedimento e discutir casos reais realizados no HECI.

    “É a primeira vez que estamos promovendo um evento como esse aqui e como é um procedimento relativamente novo, o nosso principal objetivo é informar sobre a sua existência uma vez que alguns médicos podem não saber que ele existe ou mesmo que é feito em Cachoeiro já há 4 anos no HECI ”, conta o cirurgião. Muitas vezes o paciente é encaminhado a outro serviço em outra cidade, gerando um transtorno desnecessário para o paciente e seus familiares. No Espírito Santo, somente o Hospital Evangélico e Vitória realizam esse procedimento.

    Apesar de ser um procedimento cheio de benefícios e aprovado pela Agência Nacional de Saúde, as agulhas não são disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).  “Não existe ainda um caminho facilitado pelo Governo o que nos impede de realizá-lo com mais frequência”, lamenta Dr. Rogério.

    Os pacientes que passam por ele são particulares, convênios ou via judicialização.  Mas, segundo ele, o HECI tem feito cada vez mais a radioblação. Em 2017 foi feito apenas um procedimento no Hospital. Ano passado esse número dobrou. Em 2019, até o mês de maio, já foram feitos quatro.

    O Hospital Evangélico realiza, em média, 30 cirurgias de tumores hepáticos por ano. O Dr. Rogério explica que nem todos são passíveis de radioablação.

    Pacientes graves que não suportariam uma cirurgia convencional, pacientes com fígados pequenos por passado de hepatectomia e com tumores pequenos (em geral até 3cm), são candidatos ao procedimento que tem intensão curativa. “Quando o paciente e tumor são possíveis de radioblação, a gente tenta sempre disponibilizar ao paciente, pois os benefícios são muito significativos”, comenta.